quinta-feira, 7 de março de 2013

Cesta básica fica mais cara em 15 das 18 capitais pesquisadas


Cesta básica fica mais cara em 15 das 18 capitais pesquisadas
Os preços dos produtos da cesta básica subiram, em fevereiro, em 15 das 18 capitais onde é feita a Pesquisa Nacional da Cesta Básica pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Apesar do avanço, a intensidade do aumento foi menor do que no mês passado, quando houve correções em todas as capitais.

As três maiores altas foram constatadas em Recife (8,35%), Fortaleza (7,22%) e João Pessoa (7,11%). Ocorreram quedas em Vitória (-0,63%), Goiânia (-0,56%) e Brasília (-0,24%). A capital federal entre as cidades que apresentaram os maiores aumentos no mês de janeiro, com alta de 11,3%.

A capital paulista continua ocupando o topo da lista entre as cestas mais caras do país, com valor de R$ 326,59, seguida de Porto Alegre (R$ 318,16), Florianópolis (R$ 314,46) e Manaus (R$ 314,18). Em sentido oposto, os preços mais baixos foram encontrados em Aracaju (R$ 238,40), Campo Grande (R$ 269,38) e Salvador (R$ 270,04).

O salário mínimo calculado pelo Dieese como o necessário para suprir as despesas essenciais das famílias chegou a R$ 2.743,69 – valor 4,05 vezes superior ao mínimo em vigor, de R$ 678. O valor do teto superou o estimado para janeiro (R$ 2.674,88), montante 3,95 vezes maior que o piso vigente. O cálculo também ficou bem acima da quantia estimada para igual mês do ano passado - R$ 2.323,21, quantia 3,74 vezes superior ao mínimo estabelecido para aquela época (R$ 622).

No acumulado do ano, todas as capitais indicaram avanços de preços com destaque para Salvador (18,9%), Natal (18,20%) e Aracaju (16,83%). Os menores reajustes ocorreram em Belém (5,57%), São Paulo (7,11%) e Vitória (7,74%).

Já nos últimos 12 meses, os maiores aumentos foram verificados em Salvador (32,03%), Natal (29,82%) e Fortaleza (29,29%) e os menores em Goiânia (14,06%), Belém (15,21%) e Rio de Janeiro (16,46%). O Dieese observou, porém, que há um ano, Campo Grande não fazia parte do grupo pesquisado. No bimestre, a localidade teve alta de 10,88%.

Entre os itens que mais puxaram a alta da cesta estão o feijão, que ficou mais caro em 16 capitais, com destaque para Belo Horizonte (12,23%); o tomate também com alta em 16 localidades e com maior correção no Recife (56,7%); a batata, mais cara em dez capitais e, novamente, destaque para Belo Horizonte ( 33,9%) e a carne bovina, com elevação em 11 das 18 capitais, e a maior alta em Manaus (2,52%).


Resumo Geral
Fonte: agência brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário