quarta-feira, 6 de março de 2013

Velório público de Chávez começa hoje; enterro deve ser na sexta

Velório público de Chávez começa hoje; enterro deve ser na sexta
O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, um dos mais influentes e controversos líderes da América Latina das últimas décadas, morreu ontem em Caracas, aos 58 anos, após lutar por 21 meses contra um câncer.

"Vamos acompanhá-lo até sua última morada abraçando-nos como uma família, juntos como uma família, a família dessa pátria que ele nos deixa de herança: livre e independente", anunciou na TV, às lágrimas, o vice Nicolás Maduro, que informou que a morte aconteceu às 16h25 (17h55 de Brasília).

O corpo segue hoje para a Academia Militar em Caracas e a cerimônia fúnebre oficial será na sexta. O governo decretou luto oficial de sete dias. Não foi divulgado o local do enterro.

O desaparecimento de Chávez, provocado por uma doença sobre a qual o governo jamais divulgou detalhes, abre um período de incertezas na Venezuela.

Segundo o chanceler Elías Jaua, Maduro assumirá temporariamente o poder e convocará novas eleições para os próximos 30 dias. As Forças Armadas reconheceram o vice como presidente interino.

A decisão sobre quem assume é controversa, uma vez que a Constituição prevê: em caso de morte de um presidente não empossado, quem assume é o presidente da Assembleia Nacional. Reeleito em outubro, Chávez não fez seu juramento em 10 de janeiro, como determina a Carta.

Maduro, escolhido herdeiro político pelo esquerdista, deve ser o candidato governista no pleito.

A notícia comoveu seus apoiadores. Centenas foram à praça Bolívar e ao Hospital Militar de Caracas, onde ele estava internado desde o dia 18.

Grande parte dos meses da luta contra o câncer, no entanto, ele passou na Havana do seu mentor Fidel Castro, onde foi diagnosticado e tratado sob estrito controle de informação.

Ele recusou oferta de Dilma Rousseff e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ser atendido no hospital Sírio-Libanês.

"Hoje lamentavelmente, infelizmente e com tristeza digo para vocês que morreu um grande latino-americano: o presidente da Venezuela Hugo Chávez", disse Dilma, que cancelou viagem à Argentina.

Em seus 14 anos de mandato, Chávez beneficiou-se da alta histórica dos preços do petróleo, principal produto de exportação do país, nos anos 2000. Usou a estatal PDVSA para financiar programas sociais.

Os índices de pobreza e de desigualdade caíram --mais do que no Brasil de Lula, comparativamente--, mas o governo jamais se livrou da alta na inflação.

Vítima de tentativa de golpe em 2002, Chávez culparia jornais e TVs privados e lançaria ações contra eles colecionando acusações de autoritarismo.

Morreu antes de assumir o quarto mandato, para governar até 2019 --fez campanha, assessorado pelo marqueteiro brasileiro João Santana, dizendo-se curado.

Menos de dois meses depois, em 8 de dezembro, chocou o país na TV ao dizer que faria a quarta cirurgia contra o câncer, com riscos "inegáveis".

Seria a última aparição do exímio comunicador que levou o uso da TV pela política a um patamar de "reality show", inclusive para lidar com o câncer.

Horas antes de anunciar a morte, Maduro deu mostras de que seguirá a retórica do ex-chefe: anunciou a expulsão de dois militares que atuam na Embaixada dos EUA em Caracas acusados de "propor planos desestabilizadores".

Acusou os "inimigos" da Venezuela de "atacar" Chávez e causar a sua doença.

 
Resumo Geral
Fonte: folhaonline

Nenhum comentário:

Postar um comentário