segunda-feira, 10 de junho de 2013

Mulher ganha a vida catando piolho e se orgulha da profissão: ‘Eu combato uma praga’


Mulher ganha a vida catando piolho e se orgulha da profissão: ‘Eu combato uma praga’
“Não cato piolho na cabeça dos outros nem me pagando”, diriam 9 em cada 10 pessoas. Anna Paula Braga é uma das únicas que nunca vai soltar essa frase, ou estará cuspindo no prato que comeu.

A carioca ganha a vida procurando os insetos, fio por fio, no cabelo de crianças, adolescentes e até de adultos. Isso mesmo. Sua profissão, ela diz sem vergonha nenhuma, é catadora de piolhos.

– Não é bárbaro isso que eu faço? Eu combato uma praga! As minhas filhas morrem de vergonha, mas eu nunca tive. Qualquer trabalho tem o seu lado negativo – diz.

Apesar da vergonha, as três filhas são as “culpadas” por Anna ter entrado de cabeça nesse negócio. Ela catava os piolhos delas e das amiguinhas de escola com paciência de jó. Até que, há oito anos, seguindo uma ideia da mãe, resolveu transformar em profissão o que para muitos é nojento.

A catadora de piolhos cobra R$ 70 por hora e atende na casa dos clientes, permitindo que crianças assistam televisão, usem o computador, joguem video-game ou façam o dever de casa enquanto ela trabalha.

– Com a correria do dia a dia, os pais não têm mais tempo de olhar a cabeça do filho como se deve. É um trabalho muito cuidadoso. Se eu não acabo com todos os piolhos, tiro 99% deles – garante Anna, que só não aceita um tipo de cliente: – Eu não cato em quem tem dread. Nesse tipo de cabelo não entra nem pente, como vou catar piolho? – brinca.

Resumo Geral
Fonte: R7

Nenhum comentário:

Postar um comentário