quinta-feira, 25 de julho de 2013

Atlético-MG ganha do Olimpia nos pênaltis e se sagra campeão da Libertadores



Após ganhar do Olimpia (Paraguai) por 2 a 0 no tempo normal e empatar por 0 a 0 na prorrogação, o time treinado por Cuca venceu nas penalidades máximas por 4 a 3 Após ganhar do Olimpia (Paraguai) por 2 a 0 no tempo normal e empatar por 0 a 0 na prorrogação, o time treinado por Cuca venceu nas penalidades máximas por 4 a 3 (Arte EBC)
Em mais uma partida eletrizante, o Atlético-MG conquistou a maior glória dos seus 105 anos de história: conquistar a Copa Libertadores da América. Após ganhar do Olimpia (Paraguai) por 2 a 0 no tempo normal e empatar por 0 a 0 na prorrogação, o time treinado por Cuca venceu nas penalidades máximas por 4 a 3.
É a primeira vez que a equipe vence a maior competição de clubes do continente. O título da competição garantiu vaga no Mundial de Clubes da Fifa, que acontece no final do ano em Marrocos.

Como foi o jogo

Como era de se esperar, a partida começou com o Atlético partindo para cima dos visitantes. Com um minuto de partida, o time brasileiro já havia perdido uma chance de gol. Mas, apesar de ter o domínio aparente da partida, o Atlético não conseguia finalizar e criar grandes chances. A maioria das tentativas acontecia com cruzamentos pela direita do ataque com Michel.


 
Sob os gritos de “eu acredito”, o galo começou a pressionar ainda mais o adversário
Com o tempo, a pressão do Atlético foi diminuindo e o Olimpia começava a conseguir explorar alguns ataques justamente pelo lado em que Michel atua. Apesar disso, o time paraguaio nunca atacava com mais de três homens. A postura mostrava o quanto a equipe atuava de forma defensiva. Tática que deu certo no primeiro tempo, que terminou 0 a 0.
Na segunda etapa do jogo, o Atlético conseguiu marcar rapidamente o primeiro gol. Com 1 minuto da segunda etapa, Rosinei cruzou na área,  Pittoni furou, Jô completou para o gol e o estádio Mineirão explodiu.
Depois de marcar o primeiro, o time da casa contou com toda ajuda da torcida para tentar marcar os gols que levariam ao título. Sob os gritos de “eu acredito”, o galo começou a pressionar ainda mais o adversário.
Porém, na medida que o tempo foi passando, o galo foi se desesperando. Com muitas tentativas de bolas levantadas na área, o time pressionava de forma desorganizada. Já o Olimpia começava a ter chances mais claras de gol nos contra-ataques. Aos 38 minutos, Ferreyra chegou a driblar Victor, mas escorregou na hora de finalizar. Um minuto depois, Mansur fez falta em Alecsandro e acabou expulso.
Com um homem a mais, a torcida começou a empurrar o time mais ainda. O resultado do caldeirão que o Mineirão se transformou apareceu aos 41 minutos do segundo tempo. Bernardo cruzou da direita e o zagueiro Leonardo Silva (que naquela altura do jogo já era centroavante) subiu na pequena área e completou de cabeça. Atlético-MG 2 x 0 Olimpia no tempo normal.

Ronaldinho foi um dos grandes nomes do time (Clube Atlético Mineiro/Divulgação)

Prorrogação e pênaltis

Com um homem a mais, o Atlético só precisava se reorganizar para chegar ao terceiro gol na prorrogação. Em nenhum momento do jogo, o grito de “eu acredito” estava tão real. Tanto que nos 15 minutos iniciais, só deu galo. Aos 8 minutos, o gol quase saiu em cabeceio de Bernard no travessão.
Nos 15 minutos do segundo tempo da prorrogação também só deu Atlético. Mas a essa altura do jogo, o cansaço já começava a bater nos jogadores. Ao Olimpia cabia tentar protelar o jogo e levar para os pênaltis, missão que cumpriu com maestria. 
Na decisão por penalidades, o galo contou com a estrela de Victor. Já no primeiro pênalti da série, Miranda foi para bola e cobrou rasteiro. Victor, que se adiantou, defendeu com o pé. Alecsandro cobrou o primeiro pênalti do time brasileiro com firmeza no canto esquerdo e abriu o placar.
Na segunda série de cobranças, Ferreyra cobrou mal, mas conseguiu marcar para o time paraguaio. Guilherme foi para a bola, deu uma paradinha e cobrou no canto esquerdo. Apesar de Silva ter acertado o canto, não deu para o goleiro paraguaio. Na terceira série, o zagueiro Candia bateu forte e rasteiro no meio. Victor não conseguiu pegar. Jô também cobrou rasteiro no meio e recolocou o Atlético em vantagem.
Na quarta cobrança, Aranda bateu com muita força no meio do gol. A bola entrou alta, mas por muito pouco não foi na trave. Leonardo Silva também bateu rasteiro no canto esquerdo. Gol do Atlético.
O título estava cada vez mais perto. Se Gimenéz perdesse, o galo era campeão. E isso aconteceu. O paraguaio chutou na trave e, mais uma vez, o Mineirão explodiu. O Atlético-MG pela primeira vez conquistava a Copa Libertadores da América. No placar final, Atlético-MG 4 x 3 Olimpia nos pênaltis.

Ficha técnica
Atlético 2 x 0 Olimpia (4 x 3 para o Atlético nos pênaltis)
Local: Mineirão
Árbitro: Wilmar Roldán. Assistentes: Humberto Clavijo e Eduardo Díaz (Colômbia)
Gols: Jô (1 minuto do 2º tempo) e Leonardo Silva (41 minutos do 2º tempo). Nos pênaltis marcaram Alecsandro, Guilherme, Jô e Leonardo Silva para o Atlético-MG e Juan Carlos Ferreyra, Salustiano Candia e Eduardo Aranda para o Olimpia
Atlético-MG: Victor, Michel, Réver (Alecsandro), Leonardo Silva e Junior Cesar; Pierre (Rosinei), Josué, Diego Tardelli (Guilherme), Bernard e Ronaldinho Gaúcho; Jô. Técnico: Cuca
Olimpia: Martín Silva; Candía, Manzur, Mazacotte, Miranda e Benítez; Pittoni, Aranda, Alejandro Silva (Matías Gimenez ); Salgueiro (Jorge Baéz) e Bareiro (Ferreyra). Técnico: Hugo Ever Almeida

Campanha

Com nove vitórias, dois empates e três derrotas, o Atlético-MG foi o melhor time da competição em número de pontos. Na primeira fase da Copa Libertadores da América, o galo sobrou. Foram cinco vitórias e a apenas um derrota. Nas oitavas de final, o Atlético teve pela frente o São Paulo, o único time que o havia derrotado. Mas desta vez o tricolor paulista não teve chance. Foram duas vitórias: 2 a 1 no Morumbi e 4 a 1 no Independência.
Nas quartas de final, o Atlético teve pela frente o time do Tijuana (México). No México, 2 a 2. Na partida de volta, o jogo terminou empatado em 1 a 1. Neste jogo, um momento emocionante: Victor defendeu um pênalti aos 48 minutos do segundo tempo.
Nas semifinais, o time brasileiro teve pela frente o Newell's Old Boys (Argentina). No jogo de ida, derrota por 2 a 0. Na volta, um jogo emocionante e vitória por 2 a 0. Nos pênaltis, "São Victor" garantiu mais uma vez a classificação.
Sobrava a inédita final. Contra o Olimpia do Paraguai, mais uma derrota por 2 a 0 no jogo de ida. Na partida de volta, o Atlético devolveu o placar no estádio Mineirão e garantiu o título nas penalidades máximas.

Confira a campanha do galo rumo ao título das Américas

Primeira Fase

Atlético-MG  2  x  1  São Paulo 
Arsenal  2  x  5  Atlético-MG 
Atlético-MG  2  x  1  The Strongest 
The Strongest  1  x  2  Atlético-MG 
Atlético-MG 5 x 2 Arsenal 
São Paulo 2 x 0 Atlético-MG 

Oitavas de Final

São Paulo 1 x 2 Atlético-MG 
Atlético-MG 4 x 1 São Paulo 

Quartas de final

Tijuana 2 x 2 Atlético-MG 
Atlético-MG 1 x 1 Tijuana 

Semifinais

Newell's Old Boys 2 x 0 Atlético-MG 
Atlético-MG 2 x 0 Newell's Old Boys (3 a 2 nos pênaltis) 

Final

Olimpia 2 x 0 Atlético-MG 
Atlético-MG 2  x 0  Olimpia (4 a 3 nos pênaltis)


Resumo Geral
Fonte: EBC 

Nenhum comentário:

Postar um comentário