sexta-feira, 13 de setembro de 2013

No Maracanã, Léo Moura desencanta, flamengo vence o santos e se afasta da Z-4; Confira

No Maracanã, Léo Moura desencanta, flamengo vence o santos e se afasta da Z-4; ConfiraO reencontro era de Renato Abreu com o Flamengo, clube de onde teve uma saída conturbada após ser acusado de indisciplina. O apoiador foi aplaudido pelos 16.203 torcedores pagantes (20.780 presentes), recebeu homenagem com faixa na arquibancada, mas foi Léo Moura quem teve o reencontro mais especial.

O lateral-direito voltou a balançar a rede após um ano e cinco meses, de 62 jogos, e ajudou o Rubro-Negro na apertada vitória por 2 a 1 sobre um empolgado, mas desgastado e desfalcado Santos, na noite desta quinta-feira, no Maracanã, na abertura do returno do Campeonato Brasileiro. Artilheiros de suas equipes com seis gols cada, Hernane e Cícero completaram o placar, que deixou os cariocas mais distantes do Z-4, e os paulistas, do G-4. A renda da partida foi de R$ 669.520,00.

O último gol de Léo Moura havia sido na derrota por 3 a 2 para o Emelec, pela Libertadores do ano passado. A noite só não foi perfeita para o lateral porque ele voltou a sentir a coxa e deixou o campo com dores no segundo tempo. Ao fim da partida, o camisa 2 elogiou o time a atuação e pediu sequência para o time conseguir duas vitórias seguidas pela primeira vez na competição.

- A equipe foi diferente, teve uma postura diferente e agora é dar continuidade a isso. Tem que sempre olhar para cima, buscando as posições de cima. O Flamengo tem de se acostumar a vencer e ter boa sequência no campeonato.

Ao Santos, que atuou com uma camisa em homenagem aos 50 anos do bi da Libertadores (1962-1963), faltou fôlego. Após ter enfrentado o Internacional em menos de 48 horas e sem oito jogadores - cinco lesionados e três poupados -, cansou no segundo tempo. Mesmo assim, Thiago Ribeiro desperdiçou boas chances de empatar o duelo no fim. Renato Abreu atribuiu parte do resultado ao desgaste da equipe e reclamou da maratona.

- Perdemos o jogo, mas a equipe está vindo numa maratona também, tem que entender isso. A gente até jogou bem, construiu algumas jogadas, algumas coisas boas, poderíamos até empatar o jogo. A gente sabe que nossa posição na tabela não vamos perder, até porque tem um jogo a menos ainda. É desumano jogar três, quatro jogos em uma semana. Mas faz parte, ninguém quer saber de vigor físico, da nossa saúde - criticou.

Com o triunfo, o Fla chegou a 25 pontos, abriu três da zona de rebaixamento e ainda ganhou quatro posições ao fim da rodada, assumindo o 11º lugar. Já o Peixe desperdiçou uma oportunidade para encostar na zona de classificação para a Libertadores. A derrota manteve o time com 28 pontos, na sétima posição. Na próxima rodada rodada, o Fla volta a campo contra a Ponte Preta no domingo, às 16h (de Brasília), no Moisés Lucarelli. Às 18h30m do mesmo dia, o Alvinegro praiano receberá o Botafogo na Vila Belmiro.


Entre erros e sorte, Léo Moura desencanta

O primeiro tempo no Maracanã começou com um show de erros. Chutes tortos no ataque do Flamengo, trio de frente do Santos vira e mexe em impedimento, e muitos erros de passe dos dois lados. Ao todo, foram 34 só na etapa inicial. O Peixe se posicionou atrás para trentar explorar as falhas dos cariocas, mas acabou caindo na própria armadilha. Quando Alison saiu jogando de forma precipitada, o Fla abriu o placar em meio a falhas e sorte: Léo Moura buscou o passe para Carlos Eduardo, a bola desviou em Mena e foi para Hernane; o centroavante tentou o drible em Aranha e acabou fazendo um passe para o próprio camisa 2, que mandou para a rede e desencantou após um ano e cinco meses. Foi o errado que deu certo, aos 19 minutos.

No Santos, a opção de poupar alguns jogadores que entraram em campo há dois dias manteve o fôlego da equipe em dia no primeiro tempo. Na base da velocidade, Everton Costa e Thiago Ribeiro, aberto nas costas de Léo Moura, até encontravam espaços na zaga adversária. Mas faltou criar chances de gol. A melhor oportunidade foi com Cícero, que roubou a bola, levou até a área e chutou na lua. O Flamengo sentiu falta de Renato Abreu quando teve uma falta perto da área que André Santos carimbou a barreira. Mas o apoiador mostrou que também não estava em noite inspirada quando teve uma chance na bola parada, mas isolou a sua cobrança.


Jogo esfria, e Fla segura vantagem mínima

"Espaço tem", dizia Thiago Ribeiro na volta do intervalo. Claudinei Oliveira confiou na proposta e manteve o time. O Santos até voltou com mais volume, mas quando viu já estava perdendo por 2 a 0. Aos nove minutos, Paulinho achou Carlos Eduardo na cara de Aranha, e ele deixou Hernane sem goleiro e em posição legal para marcar. Foi a gota d'água para o comandante do Peixe colocar um atacante a mais em campo com Gabigol no lugar de Alison. Mas antes mesmo da substituição o time voltou para o jogo. Com categoria, Cícero deslocou Paulo Victor e converteu o pênalti de Samir em Everton Costa, diminuindo para 2 a 1, aos 12.

Restavam cerca de 30 minutos para o Santos tentar buscar pontos no Maracanã, e Claudinei fez as suas últimas duas alterações antes mesmo de qualquer mudança no Flamengo. Willian José e Emerson entraram nas vagas de Everton Costa e Mena. Já Mano Menezes só mexeu por necessidade. Léo Moura sentiu a coxa e deu lugar a Luiz Antonio, de novo improvisado na lateral direita. Só que o Fla parecia tão desgastado quanto o Santos no segundo tempo, e Paulinho desperdiçou a única chance de perigo depois de bonita jogada de Hernane e Carlos Eduardo. Enérgico à beira do campo, o técnico ainda foi expulso pelo árbitro Sandro Meira Ricci após ver Thiago Ribeiro quase empatar em duas oportunidades. Quando João Paulo e Rafinha substituíram Paulinho e um vaiado Gabriel, respectivamente, foi só para ganhar o tempo necessário até o fim.

Resumo Geral
com globoesporte

Nenhum comentário:

Postar um comentário