sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Número de usuários de crack chega a 370 mil nas capitais do país e Nordeste concentra maior parte do consumo





Brasília - Os usuários regulares de crack e/ou de formas similares de cocaína fumada (pasta base, merla e oxi) somam 370 mil pessoas nas 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal. Considerada uma população oculta e de difícil acesso, ela representa 35% do total de consumidores de drogas ilícitas, com exceção da maconha, nesses municípios, estimado em 1 milhão de brasileiros.

A constatação está no estudo Estimativa do Número de Usuários de Crack e/ou Similares nas Capitais do País, divulgado hoje (19) pelos ministérios da Justiça e da Saúde. A pesquisa foi encomendada pela Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas (Senad) à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

O secretário Nacional de Políticas sobre Drogas do Ministério da Justiça, Vitore Maximiano classificou de surpreendente o fato de, em números absolutos, a Região Nordeste concentrar a maior parte dos usuários, contrariando o senso comum, segundo o qual o consumo é maior no Sudeste. Como a prática ocorre em locais públicos e durante o dia, ela costuma ser mais visível, devido à formação das chamadas cracolândias. De acordo com o estudo, no Nordeste há aproximadamente 150 mil usuários de crack, cerca de 40% do total de pessoas que fazem uso regular da droga em todas as capitais do país.

"Esse é um achado que surpreende: a presença de um forte consumo no Nordeste e também, proporcionalmente, no Sul [onde há 37 mil usuários de crack]. No Nordeste, acreditamos que seja em razão do próprio IDH [Índice de Desenvolvimento Humano] mais baixo, quando equiparado nacionalmente", disse. "Já em relação ao Sul, verificamos um componente histórico, uma vez que tradicionalmente há na região um maior uso de drogas injetáveis, cujo índice no país é muito baixo, mas sempre com maior predominância por lá", acrescentou.
 
Resumo Geral
Fonte: EBC

2 comentários:

  1. Isso é reflexo do descaso das autoridades, falta de políticas públicas de inclusão social e medidas de segurança preventiva. Infelizmente a tendência é aumentar ainda mais, essa é nossa triste realidade.

    ResponderExcluir
  2. Concordo com vc, aqui mesmo em Nova Cruz, o crack está presente em vários bairros.

    ResponderExcluir