quarta-feira, 9 de julho de 2014

Seleção Brasileira deu adeus ao sonho do Hexa para Alemanha na maior goleada em 100 anos da história

Seleção Brasileira deu adeus ao sonho do Hexa para Alemanha na maior goleada em 100 anos da história
 
O Brasil leva um verdadeiro chocolate em pleno Mineirão e fez a alegria de alemães e argentinos

A Seleção Brasileira de 1950 nunca mais ficará marcada como a de maior vexame da história do futebol brasileiro. Sim, nas Copa das Copas, o Brasil conseguiu mostrar que o futebol moleque, o futebol arte mudou de país, agora, ele é jogado pela Alemanha. Nesta quinta-feira, em partida válida pela semifinal da Copa do Mundo, o Brasil foi derrotado pela Alemanha por 7 a 1, no estádio Mineirão, em Belo Horizonte. A derrota é a maior da história da Seleção Brasileira em Mundiais.

Com o resultado, a Alemanha avança para as semifinais e espera o vencedor do confronto entre Holanda e Argentina na outra semifinal para conhecer o seu adversário na decisão, que acontece no Maracanã, no domingo, às 16 horas. O Brasil enfrenta o perdedor na decisão de 3º e 4º, em Brasília, no sábado, às 16 horas.

A final da Copa de 2002 entre Brasil e Alemanha pode ser vista como um marco. A última vez em que os alemães mostraram um futebol duro e a última vez em que a Seleção Brasileira mostrou o seu futebol arte. De lá para cá, o que se viu foi a inversão de valores.

O Brasil de 2014 prioriza a força e deixa o talento para Neymar desfrutar sozinho. Sem ele, não deu. É duro de admitir, mas o canto ecoado pelos argentinos nesta Copa do Mundo cabe perfeitamente ao técnico da Seleção: Felipão, diga-me o que sente! Barbosa, descanse em paz!


Baile à Alemanha

O Brasil iniciou a partida de uma forma diferente. Com a entrada de Bernard, a Seleção pressionou a Alemanha no campo de defesa e tomou às rédeas da partida. O erro na escalação de Felipão, entretanto, durou muito pouco. Logo aos onze minutos, a Alemanha já marcou o primeiro gol. Depois de cobrança de escanteio, Muller, livre na marca de pênalti, colocou dentro do gol.

Ao abrir o placar, a Alemanha notou a queda de rendimento da Seleção Brasileira, que se mostrou abalada psicologicamente. Aos 22 minutos, Klose recebeu livre dentro da área e chutou para grande defesa de Júlio César. No rebote, o mesmo Klose marcou o gol, colocando a bola no fundo do gol.

Abalada, a Seleção levou mais. Depois de jogada bem trabalhada fora da área, Kross chutou de fora da área, sem chance para Júlio César. Dois minutos depois, Kroos marcou o seu segundo, em uma jogada de toque de bola dentro da área, em que a defesa brasileira foi feita de bobinho, literalmente.

Quando parecia que a Alemanha aliviaria um pouco, marcou o quinto gol aos 25 minutos. Em mais uma jogada de troca de passes dentro da área brasileira, Khedira apareceu livre e chutou para dentro do gol.


Esforço e falta de futebol

Na volta para o segundo tempo, Felipão optou pelas entradas de Paulinho e Ramires nos lugares de Fernandinho e Hulk, respectivamente. Eles deram mais movimentação ao time, muito mais pelo recuo da Alemanha, contente com o resultado, do que por êxito da Seleção Brasileira.

A primeira finalização brasileira foi aos seis minutos. Ramires deixou Oscar na cara do gol. O meia chutou em cima de Neuer, que fez uma grande defesa. Aos sete minutos, foi a vez de Paulinho perder um gol claro. Na primeira, ele chutou em ciam do goleiro alemão, no rebote, tentou de novo e Neuer fez uma grande defesa.

De tanto ir para a frente, o Brasil arriscou demais e levou mais um contra-ataque. Aos 23 minutos, Lahm cruzou para a área e Schurrle marcou o sexto. Ele ainda faria o sétimo, em uma jogada muito parecida.

Oscar diminuiu para a Seleção Brasileira Aos 45 minutos. Depois de cruzamento, o meia tocou, livre, para o fundo das redes.


FICHA TÉCNICA

BRASIL 1 x 7 ALEMANHA

BRASIL - Julio Cesar; Maicon, David Luiz, Thiago Silva e Marcelo; Luiz Gustavo, Fernandinho (Paulinho) e Oscar; Hulk (Ramires), Bernard e Fred. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

ALEMANHA - Neuer; Lahm, Boateng, Hummels e Howedes; Khedira, Schweinsteiger, Kroos e Özil; Muller e Klose (Schurrle). Técnico: Joachim Löw

GOLS – Muller, aos 11, Klose, aos 22, Kroos, aos 23 e aos 25 do primeiro tempo. Schurrle, aos 23 minutos do segundo tempo. Oscar, aos 45 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO – Marco Antonio Rodríguez (Fifa/México).

CARTÕES AMARELOS – Dante (Brasil)

RENDA - Não disponíveis.

PÚBLICO – 58.141 presentes.

LOCAL – Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte (MG).

 
Resumo Geral
Por Agência Futebol

Nenhum comentário:

Postar um comentário